Epidemia de heroína nos EUA.

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ir em baixo

Epidemia de heroína nos EUA.

Mensagem por Cimberley Cáspio em Sab 27 Jan - 18:39

Por Revista Sputnik - reproduzido e editado p/ Cimberley Cáspio

Nova York processou judicialmente sete companhias farmacêuticas e três distribuidores de medicamentos. A cidade exige uma compensação de ao menos 500 milhões de dólares (1,5 bilhão de reais) de despesas causadas pela dependência.

De acordo com as estatísticas divulgadas pelo prefeito de Nova York, Bill de Blasio, na cidade morrem mais pessoas por causa de sobredosagem do que na sequência de acidentes de trânsito. Mais de 27 milhões de cidadãos abusam de opiáceos por todo o país.

Na entrevista à Sputnik Mundo, o jornalista argentino Nicolás Ayala, que investigou a epidemia de heroína no país, explicou que, como qualquer fenômeno social, esse problema não pode ser examinado de um só lado. Mesmo assim, segundo ele, o papel da indústria farmacêutica nos anos 90 foi enorme no aparecimento desse problema. 

"Durante esse período nos EUA a indústria farmacêutica quase não estava regulada. Propuseram uma 'revolução na questão da dor'. Se alguém tinha uma entorse de um pé e ia ao médico, este receitava uma grande quantidade de opioides da classe farmacêutica que eram muito aditivos. A maior parte do consumo atual de heroína surge desse modo, através da medicina", disse Nicolás Ayala.

O jornalista adicionou que, uma vez que o Estado se deu conta do seu erro e quis regular as vendas desses remédios, isso somente complicou as coisas. "Havia uma geração inteira que ganhou dependência de comprimidos e um dia os tiraram, o que provocou o aparecimento de um mercado paralelo nas ruas da cidade, e lá era possível encontrar alguma coisa mais barata, por exemplo, heroína", explicou ele.

Em outubro do ano passado, o presidente norte-americano Donald Trump decidiu declarar a situação de emergência na área de saúde pública. Ayala precisou que o que ele declarou não foi o estado de emergência para lutar contra a crise de opioides, o que lhe daria acesso a 23 bilhões de dólares (72 bilhões de reais). Em vez disso, ele declarou a emergência na saúde pública, que lhe deu acesso a somente 53 mil dólares (167 mil reais). "Ele assinou o documento perante as câmeras e nada mais", acrescentou o jornalista.

A indústria farmacêutica nos EUA é aquela que gasta mais dinheiro em ações de lobby no Congresso. Por exemplo, em 2016 gastou quase 250 milhões de dólares (788 milhões de reais) para promover seus interesses.

Nicolás Ayala indica o que ele chama de "fórmula de catástrofe": enquanto as corporações impõem as leis, os casos mortais vão continuar e os partidos políticos vão permanecer no poder porque são financiados pelas corporações.

Se nos anos 80 se tratava da dependência de drogas entre a população afro-americana e latina, hoje em dia a situação mudou – as vítimas desta epidemia são as classes rurais brancas, diz o jornalista.

"Quando não eram brancos a morrer, não era um tema de Estado", disse Nicolás Ayala. Ele também esclareceu que a epidemia é mais típica das regiões onde as pessoas estão envolvidas em difíceis atividades físicas, como minas ou trabalhos agrícolas.

Em um país como os EUA, as questões raciais impactam muito as relações sociais. Por exemplo, o Centro para a Prevenção e Controle de Enfermidades (CDC, na sigla em inglês), relatou que os médicos são mais propensos a prescrever opioides aos brancos do que aos latinos ou afro-americanos.

Isto tem a ver com os preconceitos raciais, segundo os quais as pessoas acham que os brancos vão usar os medicamentos para se tratar, enquanto os outros vão vender no mercado paralelo. "Isto é como um racismo ao contrário, os brancos sofrem por as outras raças serem discriminadas", concluiu o jornalista.

Marcos Robba comentou na revista Sputnik - "No pais dos drogados, nos EUA, o ópio e seus derivados são as drogas prediletas, utilizadas pelos militares e por aqueles que se dedicam aos serviços pesados na América do Norte. A heroína suprime a dor e estimula a coragem. Isso já é conhecido desde os tempos dos gregos. O exército grego funcionava a base do homossexualismo e dos opioides. Esse é um dos motivos dos exércitos de Alexandre ter avançado rumo ao Oriente, destruindo civilizações milenares.

Essa é a origem da civilização ocidental: pilhagem, drogas, etc, de que tanto as elites ocidentais se orgulham. Isso deveria estar nos livros de ensino fundamental das nossas crianças.

Hoje quem controla os grandes e rentáveis campos de ópio no Afeganistão são os americanos, protegidos pelos soldados americanos, os quais colocam o ópio produzido nas mãos das famigeradas industrias farmacêuticas americanas. Um dos motivos dos americanos não quererem sair do Afeganistão é esse. Assim como o exército de Alexandre precisou do ópio, o exército americano, hoje, com suas mais de 800 bases espalhadas pelo nosso pequeno planeta, precisam desse estimulante para fazer guerras e se apoderar das riquezas dos povos.

Vale lembrar que, a industria farmacêutica americana, é um dos cartéis que articulou a morte dos Kennedy. Na época de sua morte, Kennedy promovia uma devassa nos 5 principais cartéis que controlam a economia americana."
avatar
Cimberley Cáspio


Mensagens : 39
Data de inscrição : 24/01/2018

Ver perfil do usuário http://Antena Bibarrense de Notícias - caspiojornalista@gmail.co

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Novo Tópico   Responder ao tópico
 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum
MensagensUsuários registradosÉ o novo membro